VERSOS LIVRES: IVANIR… O DIA QUE O AMOR… SIMPLESMENTE ME SORRIU

VERSOS LIVRES: IVANIR…

O DIA QUE…. O AMOR SIMPLESMENTE… ME SORRIU

Para ti  IVANIR, presente que Deus me deu, luz ao final do túnel, onde tu, e somente tu, chegou a minha vida, para te conquistar, para lutar, pra me esforçar e dizer que somente aquilo pelo que se luta é o que mais se valoriza, ainda assim, o universo me sorri e me facilita as coisas…e conspirou ao meu favor… fazendo que o fruto de esforço seja coletado em abundancia, e meu jeito de expressar-lo, surge nos versos livres…. O DIA QUE… O AMOR SIMPLESMENTE… ME SORRIU…

Por autorização tua publico estes versos que são somente teus, por que tu é a Musa que me inspirou:

VERSOS LIVRES VIII 

Bom dia amor!

Minha amante de nome

Da terra burka!

 

Tu vai lhe dar sentido final a uma historia

As vezes parada, as vezes afoita,

Incrível, arriscada

Ou passiva…

 

A minha travessia pelo mundo inteiro,

Me fez virar

Um homem sem fronteiras,

Ganhando apenas meu pão e me sustento

Com a  tinta preta e as vezes em cores,

Que desenham sorrisos

E provocam conquistas.

 

Em letras rabiscadas

Que pronunciam palavras,

Encorajam os sonhos,

Dramatizam as almas

E exorcizam espíritos.

 

Ganhava meu pão sendo errante no mundo,

Ou planeta que vaga pelo universo….

Voltando somente a minha origem

Quando numa simples folha

Ou na mais complexa,

Etérea

E mágica projeção das minhas letras

Apareciam no irreal

De uma tela…

 

…Ai voltava a ler minha origem,

Caminho e destino…

 

Ainda pobre,

Porem feliz ou infeliz com meu sustento,

Soube que meu destino sem fronteiras

Mostrariam que o amor me tinha reservado…

 

O amor me engendrou

Na minha pátria Mãe,

Pra ter dela a riqueza toda

De dois oceanos

E três cordilheiras….

Porem o amor me foi esquivo

E as vezes edípico ou incestuoso,

Porque minha amada COLÔMBIA,

Me quis para si

Como mãe e eu seu filho

Para o universo e

irmão do mundo…

 

No Brasil conheci o amor,

Na terra auriverde das mais belas mulheres,

Eternas amantes e valentes guerreiras

Das deusas gregas,

Amazonas,

Afroditas e

Venus…

As quais fugiram da Grécia

Antes de todas as guerras

E as crises falidas….

Fazendo desta terra o paraíso eterno,

Do qual logo

fui expulso….

 

Errante de novo

E com menos sustento,

Acordei e me deparei

Nas terras Burkas,

Onde as mulheres vestidas de Burka,

Submetidas

Ao velo que oculta

Todo prazer….

 

Sem rumo e sem fé

te encontrei a ti…

minha Amante de Burka

que na tua burka

somente teus olhos brilhavam….

porem,

que paixão teria

quem oculta

se diz ser minha amante?…

 

Oh preconceito minha amante!…

Que detrás da tua burka

Tua entrega e paixão

Me ensinaram mais que todas…

 

E tu…

Mulher oculta,

De Burka e amante

Me derrubou da fronteira

E traz de volta

Ao paraíso expulso do Brasil,

Para me mostrar que meu amor,

Tu…

É mais pura,

Mais de Burka

Mais de Samba

Mais paixão.

05-08-2011

VERSOS LIVRES VII

Conto Livre I

 

Boa noite amor, era tarde quando te comecei a escrever meu amor!.

 

A LENDA DETRÁS DO TESOURO MAIS PRECIOSO DO MUNDO

 

Conta a historia amor do Santo Judeu, quem morreu na cruz no meio de dois ladrões, que um jovem muito rico procurava o tesouro mais precioso do mundo, e foi até ele para saber como chegar e conseguir ele…

 

… O que não conta a historia é que existia um velho pescador, quem, quando jovem e sendo muito pobre, navegava pelo mar num pequeno barco e no meio de uma forte tormenta foi jogado numa distante ilha. Aceitando a realidade do infeliz sucesso do naufrágio, o jovem pediu com muita força ao seu Deus que não o deixa-se morrer só e abandonado naquela ilha, porque de ser assim, preferia se juntar aos seus antepassados de Jacó e Abraham….

 

Deus, no meio da desgraça daquele homem topou em lhe dar umas ostras, para saciar a fome, com a condição e prova de ter que nadar, ainda sem forças pelo naufrágio, pela orla até o fim do rio que morria no mar.

 

O mato d’água,  os bichos, o medo e o esgotamento do nado… deixaram sua mente tão sumida na tristeza que jogou seu rosto na lama, pronto para morrer… Foi ai então que encontrou as ostras prometidas por Deus e no esforço da fome quebrou elas, sugando o divino fruto com o qual deleitou-se…

 

Foi ai… quando saciada sua fome, que reparou que nelas existia o tesouro mais grande e precioso jamais visto, pérolas de infinito valor que mudariam sua vida para sempre…

 

O sol brilhou, iluminou sua alma e ela sorriu, quando viu seu navio para retornar…

 

A historia volta ao começo, desta velha lenda jamais contada, nem jamais conhecida, que o tesouro mais precioso era uma daquelas perolas, que o velho reservou para ganhar seu amor, com quem viveu os mais felizes anos da sua vida…

 

O homem rico perguntou ao Santo Judeu o preço e… com cabeça baixa foi embora por não ter coragem de vender tudo o que tinha e dá-lo por ela,… porque era muito rico….

 

A perola existe, muitos tiveram a felicidade toda ao pagarem o preço ainda com suas vidas, porque a perola do amor, da sentido a todo.

 

Hoje essa perola pode ser tu….

Quando tu me dizer AMOR,

porque sei que vai ser

para a vida toda.

04-08-2011

 

VERSOS LIVRES VI  

Amor!

Como tu já me retribui…

a todas as minhas palavras que tu me inspira…

Assim como eu espero te retribuir

com meu corpo

e meu desejo de superação

e crescer na vida…

 

Homem e mulher

na perfeição de Deus,

tão perfeitos…

tão incompletos…

tão faltantes…

porem juntos são tudo…

são todo.

 

Tão contrários,

tão distintos,

mas no côncavo e convexo

se encaixam,

na plenitude do prazer que apaga todo defeito

natural e perfeito…

 

Saudade e vontade se juntam

e te sabem esperar…

para te ter não uma,

nem duas, nem três,

mas num número perfeito

calculado por Pitágoras

que represente o terreno

e o eterno.

04-08-2011

VERSOS LIVRES V

 

Bom dia amor!

 

Quando digo que te amo,

te amo toda tu,

quando te digo amor

é o resumo perfeito

das mais complexas reações

pelas quais a humanidade

o entrega, recebe e faz tudo.

 

Quando tu meu amor

me diz alegria,

minha alegria é…

e tua alegria é correspondida…

 

Uma palavra não diz nada

mas ao mesmo tempo o diz tudo…

 

Amor, porem mais me diz

tua alegria que enxergo tu sente

quando tu está comigo

e a alegria que eu sinto quando estou contigo,

sendo assim, nem palavras se precisam para saber que tu me ama… eu te amo…

 

Te dar tudo…

não somente nas folgas…

mas no desejo permanente

de sentir teu corpo,

ouvir tuas palavras,

contemplar tua beleza e

penetrar na tua alma…

 

E assim,

dia a dia afirmar:

Eu sou teu,

Tu é minha.

04-08-2011

VERSOS LIVRES IV 

Bom dia amor!

Hoje me surge uma pergunta.

O que é o H2O?

Isso me pergunto lembrando a primeira vez que te vi

E admirava teu olhar pela janela do ônibus,

Mais ainda, no momento exato

Que passamos a terceira ponte…

De formosos arcos e imponentes curvas…

 

Sim,

Nesse exato momento da ponte…

Que cruza o precioso líquido

Do majestoso H2O

Do lago Paranoá…

 

E que tem tu majestoso lago?,

Idealizado no sonho de Dom Bosco

E concretizado por JK,

Que composto por duas letras e um número…

Justo naquele instante,

Tu, liquido misterioso,

Ao cruzar a ponte,

Brilhou nos olhos verdes de quem te olhava e contemplava

Em pensamentos perdidos.

 

Oh tu lago composto de H2O!,

O que tu é?….

Que provocou que naquele instante

Me fizesse saber,

No encanto do reflexo dos teus olhos

Que estava apaixonado por ti,

Amada IVANIR.

 

Hoje,

Neste instante,

Todas as manhas,

As tardes e noites,

Seria esse lago…

Para brilhar em teus olhos

De verde esperança……

 

Mas graças a Deus

Eu sou também H2O

E já brilho em teus olhos

E me movimento em teus beijos.

 

Beijos meu amor…

 03-08-2011

 

VERSOS LIVRES III 

Bom dia amor!

 Justo ao sair da minha casa,

O céu desenha com nuvens

A descrição da beleza infinita

Do encontro de amor entre o dia e a noite.

 

Nuvens que recolhem

Os lençóis brancos e puros

Do leito do amor divino…

E que geram no fundo

O fruto do amor em cores

De roxo violeta

E o azul puro, fresco e claro,

Com a leve tinta laranja e vermelha

Ao sul e ao oeste.

 

Nuvens que desenham teu nome IVANIR em letras brancas,

No lençol de cores….

 

Belezas que somente Deus faz…

Como quando te fez…

 

Beijos….

02-08-2011

  

VERSOS LIVRES II 

Bom dia amor!

Sinto que ainda não tenho acordado,

Porque contigo conquistei meu sonho

De poder chegar a Lua…

 

Minhas mãos como naves guias,

Tripuladas pelo desejo dos meus lábios,

Exploram teu espaço luar.

 

A nave guia das minhas mãos

Percorrem teus vales e montanhas,

Conquistaram teus pontos mais altos…

invadiram os teus pontos mais baixos…

 

Ainda atrapalhada,

minha nave guia…

Pela exploração desconhecida,

Ansiosa,

Encorajada

e prazerosa

do satélite luar do teu corpo…

quer me levar a conquista completa de todos teus lugares,

na entrega sem freio dos nossos corpos.

 

Minha felicidade,

Lembrando o contato com teu Monte de Venus,

Foi um pequeno passo para um homem,

Mas um salto gigante a minha humanidade.

 

Me permita dizer,

Como astronauta do teu espaço…

Que te amo,

E amo o novo sonho

Que me permite

Estar contigo.

  31-07-2011

 

VERSOS LIVRES I 

Bom dia, boa tarde, boa noite amor!

Preciosa musa de quem conservo

O doce néctar dos teus lábios.

 

Vem aqui uma imagem,

A imagem do teu signo zodiacal que se materializa

E faz presente neste instante,

A figura de um touro…

 

Um touro

Que com olhos vermelhos

Brilham com raiva uma vez solto na areia.

 

Outra imagem…

Um toureiro, que treme,

Ainda que com o pulso firme

Segura um pano vermelho,

 

Pano,

que enfurece e espera

Ao touro acurralado.

 

Dois corpos,

Tu touro… eu toureiro,

Eu touro…tu toureiro.

 

Eu te espero,

Tu me esperas.

Juntos corpo a corpo

Na investida dos beijos.

 

Eu sou tu…

E tu eu…

Tanto faz…

Por que  tu na areia é você mesma,

Eu na areia sou eu mesmo.

 

Ate que, no avance violento dos nossos corpos,

Eu sou touro,

Tu toureira…

Tu touro,

Eu toureiro…

 

Duas forças,

Duas entregas…

E um só objetivo…

Atingir a alma,

Corpo, coração e vida.

 

Com o pano vermelho que espera

E a força que avança…

Te gosta, te observa,

Te aceita e te gosta,

Sendo tu assim,

Sendo eu assim…

 29-07-2011

Introdução ao que pode ser um poema, ou novela de amor, alias é uma historia de amor… tu me diz… podes continuar-la

Obrigado por me deixar te lisonjear…. tomara o que escreva não estrague nada…mais do que já possa estar estragado

Introdução ao que pode ser um poema, ou novela de amor, alias é uma historia de amor… tu me diz… podes continuar-la 

Mi coleccion Literaria: El dia que…simplemente volvi a amar

“Eu não escrevo em português. Escrevo eu mesmo”.

“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”

Fernando Pessoa

Agora sim eu escrevo eu mesmo

Sei que tudo é suspeito, que de boas a primeiras alguém somente te fale de amor… eu de ti, como tu fez, desconfiaria, desconfiaria mesmo, mais somente quem se atreve a descobrir a fina tela que cobre a razão com a emoção entenderiam que toda desconfiança fica perdida pela inexperiência e pela humanidade que ainda procura achar a razão mesma de viver uma vida pelo amor. Ainda isso que acabei de dizer não diz nada e segue sendo suspeito…

Desconfiança natural das palavras e dos atos não feitos, não posso te mentir, já não penso mesmo as 24 horas do dia em ti, bem isso já é sadio, consigo até fazer coisas e falar com outros sem desejar que fosse você, também até consigo saber que posso viver sem ti, até já tenho conseguido não idealizar o que tu chamas, nosso passado, e sentir raiva, com a justificativa de dizer que dá raiva mesmo não ter feito a mais, não ter dito a mais, não ter sabido o mais o que  fazer, ou raiva simplesmente de dizer, uai.. mais tudo passa e sem problema, que fácil seria mesmo esquecer, já fiz de tudo, não quero mais fazer.

Porém, como diz Fernando Pessoa: “As vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.”

Posso dizer que somente te conhecer, ter estado contigo, viver o que a gente viveu num encontro louco demais, e sem nenhum juízo de ser, e pedir a vida me retornar de novo a vida para te dizer de novo: FICA COMIGO ESTA NOITE poderei dizer, e só de ouvir o vento passar… Vale a pena ter nascido, porque somente, como o fantasma que esperou nascer de novo por amor, vale a pena ter nascido, e ainda, retomando a Pessoa quem diz que o amor é desilusão:

“O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formámos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos. O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceite desde o príncipio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida.”

Sempre por amor, VALE A PENA TER NASCIDO.

Tudo cobra sentido quando sendo dono de mim mesmo:” Tenho em mim todos os sonhos do mundo” e quando reconheço meu valor e digo como Pessoa: “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.” Por isso o amor eterno, sempre valerá a pena quando alma não é pequena e, que quando ainda seja desconfiante se aceite o amor de um estranho que chega a minha vida virar tudo de cabeça, somente porque sabe que isso quer, é isso o que encontrou… ainda dure o que tempo que for, sempre ficara o gostinho de querer que seja para toda uma eternidade. E como Pessoa termino dizendo:

“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”

Mi colección literaria el día que…el amor se aproximó a mi

POR PRIMERA VEZ

De mi colección literaria de bachillerato, año 1994

 

No sé qué es lo siento,

no sé qué es lo pienso,

¿será tal vez el amor?

No lo sé.

 

Siento un cosquilleo,

un suave susurro;

te veo y tiemblo, te veo y sudo,

pero siempre que te veo

florecen las estrellas.

 

¿Será tal vez el amor?

No lo sé,

Espero que eso sea.

                                                                                            Elkin Páez Ch 1993

Mi colección literaria, Poesías, el día que…lloré por el amor

AMOR TRAICIONERO

Musas del amor,

¿Por qué no vienen a mí?

Me habéis olvidado y traicionado.

Veo a los pájaros cantarle,

la brisa rozar dulcemente su cara,

al sol robarle su alegría,

al agua mojarle su delicado cuerpo,

las flores enamorarla,

la música borrándole la tristeza,

las verdes montañas atrayéndola;

siento celos hasta del espejo que la desnuda.

 

Pero yo, solo yo que la amo,

le temo, le huyo,

un gran miedo me invade,

la perderé sin haberla tenido jamás.

 

Maldito miedo, maldito terror……

 

Musas del amor ¿ya están aquí…?

Es tarde; la he perdido ya.

 

Elkin Páez Ch 1994

MI COLECCIÓN LITERARIA POEMAS, EL DÍA QUE…APRENDI A VIVIR LA PERDIDA EN EL AMOR

AMOR QUE NACE EN LA MAÑANA….

De mi colección literaria de bachillerato, año 1994

 

La tarde está fría y húmeda,

el sol oculta su tristeza

dando paso a la melancólica noche.

Mi amor por ti no ha nacido aún,

pero me aviva la esperanza

de que nuestro amor

nacerá en la mañana.

 

Poco a poco me acerco a ti,

poco a poco mis anhelos florecen,

porque la mañana se acerca

y te volveré a ver.

 

Alimentaré mi esperanza

de poderte amar

por toda la eternidad.

 

A llegado la mañana

y nuestro amor nacerá por fin.

Me acerco a ti impaciente

para declarar mi amor por ti.

 

Y cuando ya estaba pronto,

se acerca como gacela endemoniada

el bus de ruta con afán,

parando impetuoso frente a ti,

llevándose así mi esperanza de amar.

 

Yo, contento, en la tarde,

te espero con gran susto y emoción,

mi amor por ti será declarado al fin.

 

Pero, ¿Qué ven ahora mis desconcertados ojos?

¡A mi amor anhelado!…

Pero en brazos de otro.

 

Frente a este gran desconsuelo

no me queda otra conclusión,

que esperanzas de amor que nacen en la mañana….

fallecen por la tarde.

 Elkin Páez Ch 1994

 

 

EL DÍA QUE…AMÉ A LA MUERTE Y LA COMPRENDÍ

 EL BARCO DEL MÁS ALLÁ

Mis memorias literarias / Cuento 

Poco a poco se aproximaba el barco que contenía los designios de lo irreal, misterioso y del más allá. Era aquel barco o gran velero el encargado de transportarnos por la senda de la muerte a la eternidad.

 

Yo incrédulo, observaba como descendía lentamente del espacio infinito, para internarse en lo más profundo del mar, dejando en una isla de misterios a la Muerte, que con su guadaña afilada se disponía a dar rienda suelta a su interesante labor de obsequiar tiquetes gratis para el barco del más allá, en el viaje al mundo irreal.

 

La Muerte fría y anhelada, trasformada solo en mi mente en hermosa doncella con risos de oro y mirada tan profunda cual túnel sin salida, abandonó el barco y comenzó a incrustar el tiquete para la eternidad en cada fiera, en cada hombre y en cada idea, (ya que estas también mueren cuando pierden la esperanza) que se le atravesaba en su lista del destino.

 

Al incrustar el tiquete con su mirada profunda, se disponía a arrancar las almas con su guadaña, pero no sin antes haber depositado en ellos la confianza necesaria de que nada malo les iba a pasar.

 

Yo observaba todo sin que alguien se diera cuenta y sintiendo tal deseo de curiosidad al querer saber que había en el más allá, me acerqué a la Muerte, sin miedo, por el contrario, con amor profundo, y ella, al darse cuenta de mi presencia y de la forma ansiosa que mostraba para que me llevara, me miró profundamente haciéndome fijar en el brillo que aparecía al final de sus ojos.

 

Me tomó del brazo y con su mirada me decía que yo era el único que había descubierto a la Muerte, como es realmente y no como el mundo creía que era y que por ello, el temor a la Muerte había desaparecido conservando para mí su forma de hermosa doncella.

 

No me dio tiempo para decirle algo y abrazándome fuertemente depositó en mí el misterio del barco, de la vida y del más allá. Todo esto lo iría recordando en cada luna del cuarto creciente; tan solo quedaron grabadas en mi mente las palabras que me contaban que para unos y para mi en determinado momento de la vida sería una cárcel, un purgatorio en el cual los hombres tienen la libertad de encontrar o no la salvación y la felicidad según la consciencia de sus actos, mas que en otros momentos la vida seria un paraíso de felicidad y realización donde la propia conciencia me llevara a valorar el hecho de estar vivo y saber que nunca fuimos sometidos a una prisión y si a ser privilegiados en el orden de lo existente.

 

El barco es el trance o medio por el cual las almas son conducidas a su destino final o mas allá que es la presencia de Dios, quien decide nuestra posición en aquel mundo misterioso.

 

Después de decirme todo esto me besó apasionadamente y me dijo que aun no era mi turno, pero que muy pronto comprendería que jamás estuve prisionero en la cárcel de mis miedos o inseguridades y que eran momentos que pasarían para ver de nuevo la luz de la esperanza, llegado el momento tendría el placer de estar muy cerca de Dios y nuestro amor duraría por toda la eternidad.

 

Separados sus labios de los míos levanté mi mirada y percibí que Dios nos observaba, haciendo una dulce señal, con lo cual el barco despegó con ella, quedando tendida en la oscuridad de mi mente la imagen de la hermosa doncella rodeada del reflejo de la tristeza y desolación al separarse nuestro amor, pero con la esperanza de que muy pronto nos volveríamos a ver.

 

1994